Make your own free website on Tripod.com
 
 
 
 
  
 
 
Quanto e qual adubo devo usar...
Esta é a maior questão em relação a manutenção das Cattleyas e Laelias, principalmente para aqueles que tem poucas plantas.
Revendo literaturas de estudiosos no assunto, verificamos que quando um incentiva a adubacão, outro faz exatamente ao contrario. Nestes dois anos de pesquisa, experimentei vários tipos de adubos, em pó ou líquidos, nacionais e importados.
Defini duas áreas na estufa, uma com adubacão a cada 15 dias, em pó, e outra adubacão 1 vez por semana, também com adubo em pó. Em seis meses, via-se a diferença nas folhas das plantas, pois as adubadas 1 vez por semana estavam mais vigorosas.
Iniciei outra etapa de testes, passando para adubo liquido, também em duas áreas na estufa, 1 vez por semana e outra a cada 15 dias, nas mesmas dosagens.
Após seis meses, nitidamente, as que receberam adubo a cada semana, estavam muito mais vistosas e troncudas. Nesta fase de testes, não foi respeitado os 3 meses que antecedem a floração de cada planta, portando, foram raras as plantas que deram flores em um ano... Depois de uma analise mais profunda, verifiquei que a adubacão nas Cattleyas e Laelias, realmente ajudam ate na defesa da planta, pois neste ano não tive que usar fungicidas e outros defensivos que eu usava antes... Provado então que planta forte é planta sadia, sem aquele monte de produtos químicos, ditos como defensivos, pois a própria planta cria a sua defesa natural. Para não confundir excesso de umidade com planta fraca, permaneci com a aspersão dosada da mesma forma que eu usava antes, portanto, com a mesma umidade, nada de fungos pretos, e outras manchas que antes viviam passeando pelas plantas...
Resultados após 1 ano:
Os adubos líquidos, oferecem um pouco mais de saúde as plantas, talvez por terem mais micro e macro nutrientes em sua formulação, apesar da diferença notada, nas anotações anteriores, de que a planta molhada nas folhas, são mais bonitas que as molhadas somente no substrato... Não deu certo a adubacão contínua, isto é, não respeitar os 3 meses que antecedem a floração de cada planta...
Numa Segunda etapa, usei apenas adubos líquidos, porque, alem de terem dado melhor resultado na primeira etapa dos estudos, são mais fáceis de controlar, distribuindo a mesma dose para todas as plantas. Separei e cataloguei as 200 e poucas plantas do estudo, e em todas, retirei a adubacão e pulverização, nos 3 meses que antecedem a data de floração de cada planta. Molhei apenas o substrato a cada 15 dias, apenas para manter a umidade. Qual foi o resultado ???...
Primeira observação: Sem sombra de duvidas, foi o melhor processo utilizado, pois todas as plantas deram flores em sua data propicia, e o que mais chamou atenção, mais de 2 flores em cada haste...
Segunda observação: todas as plantas, mantiveram suas raízes dentro do substrato, não saindo para fora e nem pelos furos do fundo dos vasos...
Afirmando o escrito no Capítulo 2 desta pesquisa, planta com umidade e adubacão normal, dá muito menos trabalho para manutenção em 1 ano do que não usarmos o critério da adubacão e umidade normal, portanto, a vitamina que a planta despenderia para criar novas raízes, ela usou no crescimento dos bulbos e folhas.
Terceira observação: As cores, o porte e o tamanho das flores foi maravilhoso, em algumas plantas, as flores foram bem maiores que em anos anteriores, e suas cores bem mais fortes. Vale observar que no segundo ano da pesquisa, o clima foi mais seco do que no primeiro, portanto, afetando o nível da umidade relativa durante o ano.
Como toda pesquisa, dificilmente teremos o mesmo resultado no mesmo ano, em áreas diferentes, valendo a teoria do controle de umidade de cada planta para cada região do pais.

Padrão e métodos utilizados:
Foi usado o sistema de aspersão, conforme descrito no Capítulo 6, em dosagens menores no inverno e maiores no verão.
Adubos em pó, foram utilizados fertilizantes comerciais, nas formulações NPK seguintes:
4 - 14 - 8 : para incentivo a floração. 1 colher de café por planta.
20 - 05 -15 : durante a fase vegetativa. 1 colher de café por planta.
Nas adubações semanais e quinzenais, foi intercalado os 2 tipos de fertilizantes, isto é, uma vez o 4-14-8 e outra vez 20-05-15.
Adubos líquidos, foram utilizados mais adubos importados, por haver formulações em maior diversidade, como a seguir:
3 -12 -6 para incentivo a floração. 1 ml por litro d'água.
7- 7- 7 para fase vegetativa . 1,5 ml por litro d'água.
Protekt para reforçar a defesa das plantas. 0,2 ml por litro d'água.
30- 10- 10 nas plantas mais novas (acima de 3 anos) 1 ml litro d'água.

Plantas utilizadas:
Todas Cattleyas híbridas, adquiridas em vários fornecedores de mudas do Brasil, cultivadas desde 1 ano de vida, portanto no inicio da pesquisa, a maioria tinha acima de 3 anos. As Laelias, em menor quantidade, são de origem desconhecida, (os vendedores não sabiam seus nomes, como sempre...). Podemos apreciar a foto de uma delas na nossa home, chamando atenção para a quantidade de flores em cada planta, que foi no mínimo 6 flores e a máxima 19.

Local da pesquisa:
Estufa com cobertura de plástico leitoso 60% e tela sombrite em suas laterais, no município de Santa Isabel, São Paulo, clima aproximado de montanha.
Temperatura media no verão, 40 graus e no inverno, 10 graus. (no seu interior).
Pesquisa efetuada entre agosto de 1999 a junho de 2001.
Edison D. Werneck.